terça-feira, maio 22, 2018

Ouvir

Parece contraditório mas não é; é exigente e torna-nos humildes: os cristãos podem ser perseguidos por pessoas que serão más para eles; mas esses mesmos cristãos são chamados a tornar o mundo das pessoas que serão más para elas mais saboroso e iluminado.

O sermão de Domingo passado, chamado "Sal que exige cirurgia cardíaca", pode ser ouvido aqui.

segunda-feira, maio 21, 2018

Uma experiência

Não sou um pregador que pregue pouco nem escritor que escreva pouco. Por isso, resolvi fazer um exercício de síntese e simplificação com os sermões do meu último livro. Em 2 mns exponho o 1º. Isto não dispensa que o comprem e o leiam!

No evangelho de Marcos a diferença entre o herói e o vilão não é tão simples assim


segunda-feira, maio 14, 2018

Mais do que informação


quarta-feira, maio 09, 2018

Ouvir

O sermão de Domingo passado, chamado "A perfeição da perseguição", pode ser ouvido aqui.



Dez afirmações essenciais:

1. Somos astutos seleccionando as bem-aventuranças que nos agradam, mas ignorando cuidadosamente o lugar de perseguição onde elas nos devem levar.

2. Não interessa isolar as bem-aventuranças do facto de se fazer parte do Reino de Jesus. O ponto de ser de acordo com as bem-aventuranças é o ponto de fazer parte do Reino dele.

3. É bom ser perseguido porque isso indica uma pertença ao Reino de Jesus que é melhor ainda.

4. A pessoa que persegue os cristãos, ainda que inconscientemente, persegue o próprio Cristo. Por isso mesmo, quando Saulo perseguia os cristãos (Actos 9:4), Jesus aparece-lhe e pergunta-lhe: Saulo, Saulo, por que me persegues?

5. Ser perseguido por causa da justiça não pode ser uma causa em si, mas é uma consequência de ser verdadeiramente cristão.

6. A perseguição existe para todos os que declaram a gravidade de rejeitar Jesus. Quem amaciar isto não terá qualquer perseguição. Quem não chateia ninguém, não é perseguido por ninguém. Quem não se sente realmente ofendido, não se dá ao trabalho de perseguir alguém.

7. Muitos de nós fomos aliciados a querer ser sal e luz como uma espécie de reconhecimento público geral. É o contrário. Ser sal e luz é equivalente a ser perseguido. Logo, a perseguição, podendo parecer negativa, é o condimento e a luz para um mundo sem sabor e às escuras.

8. Não devemos esperar um jogo limpo daqueles que odeiam Cristo. Aliás, por razão é que as pessoas que não querem ter um coração limpo haveriam de jogar limpo com os cristãos? Sermos vítimas de mentira e difamação é o resultado mais natural de alinharmos por Jesus.

9. Não nos alegramos na perseguição em si - não somos masoquistas. Nós alegramo-nos naquilo que a perseguição vai dar: um galardão nos céus.

10. Não é raro ouvir cristãos a reprovarem que se fale de Jesus a partir do risco do Inferno ou a partir da recompensa do Céu. Até o nosso querido C.S. Lewis caiu nesse erro. Mas a verdade é que o próprio Jesus não nos ensinou a viver a vida cristã desinteressadamente.

sexta-feira, maio 04, 2018

Na Teologia

A pressa não é um prémio.


quinta-feira, maio 03, 2018

Olha aí

Os Milagres no Coração na tevê!

quarta-feira, maio 02, 2018

Ouvir

Um pacificador comporta-se de acordo com a paz que traz nas palavras. Entre outras coisas, um pacificador não fala contra a dignidade de um adversário. Quanto mais hostis são connosco, mais nos merecem o empenho. Por isso mesmo, e neste mesmo sermão, Jesus vai pedir mais à frente que amemos os nossos inimigos. Amar os amigos é natural; amar os inimigos é sobrenatural - a bem-aventurança da pacificação tem esta mesma lógica.

O sermão de Domingo passado pode ser ouvido aqui.